Como não espantar a cliente do seu salão.

Essa dica é para cabeleireiros e donos de salões. Vale a pena ler…

Li uma reportagem que passava relatos de uma cliente assim…

“Fui a um salão do meu bairro para fazer uma escova.Tinha marcado horário, cheguei um pouco antes e me acomodaram num sofá da recepção.
Passaram-se 15 minutos e nada de me chamarem.
Profissionais iam e vinham, a recepcionista não largava o telefone e eu continuei esperando. Fiquei meia hora ali e nada. Simplesmente era como se eu não existisse! É claro que desisti do atendimento e fui procurar outro estabelecimento, na mesma rua.”
ROSE GONÇALVES, da Assessoria em Beleza, empresa que presta consultoria para salões,afirma que esse tipo de situação é mais frequente do que se pensa. Ela explica que o cliente deve ser tratado como um convidado que vem à nossa casa e questiona: “É essa a atenção que damos a quem nos visita?” Coach e especialista em Marketing e serviços pela FAAP de São Paulo ,Vagner Torres, diretor da VTOR Educação Coorporativa, acrescenta: “Parece incrível, mas a maioria das empresas perde entre 15% e 35% dos seus clientes por ano, sendo que 70% deles se vão devido ao descaso ou ao mau atendimento. É fundamental evitar que os funcionários ignorem a clientela, treinando-os para um contato inicial”. Segundo Rose, o procedimento correto em casos assim é acomodar a pessoa, oferecer-lhe água ou café, e verificar se o profissional escolhido está disponível. Se não estiver, explicar que ele finaliza um atendimento:
“Atrasou um pouco? Imprevistos acontecem. O importante é manter a cliente informada do que se passa”, finaliza. Vagner acredita que a relação entre salão de beleza e clientela deve ser baseada na confiança: “O frequentador tem de sentir que a empresa é uma aliada, que o ajuda a encontrar soluções para sua aspirações e que ele não é apenas mais um”. Ele ressalta que é comum, em um salão, o usuário receber um serviço satisfatório no âmbito da técnica, mas sair decepcionado com a execução por causa de atrasos,desgastes no relacionamento ou gastos inesperados. ” Quando, no fim do dia, o cabeleireiro for olhar sua agenda, não pode pensar apenas que fez X cabelos, mas sim se perguntar quantos laços foram fortalecidos e quantas vezes superou as expectativas do cliente.